Home / Dicas / Dicas para a sua primeira viagem internacional
Dicas para a sua primeira viagem internacional

Dicas para a sua primeira viagem internacional

Poucas coisas na vida são tão empolgantes quanto ter ou fazer algo que a gente quer muito, e quando se trata da nossa primeira vez fora do Brasil, muitas coisas precisam ser feitas para que tudo saia nos conformes. A primeira viagem internacional envolve ansiedade, organização e ainda um planejamento que depende até de órgãos oficiais do governo.

É por isso que vamos tentar, neste post, fazer um guia sobre o que você precisa saber para sua primeira viagem internacional. Como tirar o passaporte, fazer o seguro viagem, visto, qual a melhor maneira de comprar as passagens, onde se hospedar, dentre outras coisas.

Passaporte
Uma vez que você decidiu viajar para fora do país, tire o passaporte. Eu sugiro isso até mesmo para quem viaja primeiro para o Mercosul (onde só exige o RG na imigração), pois depois virão as outras viagens mais longas, além disso os carimbos no passaporte serão sempre um souvenir.

A boa notícia é que os passaportes confeccionados desde dezembro de 2014 têm validade de 10 anos, ao invés de 5 anos. A PF estima que o processo demore em torno de 1 ano para a mudança dos documentos, pois pelo fato de a validade dobrar, o documento será alterado, recebendo mais páginas.

Como tirar o passaporte?
Para tirar seu passaporte, entre no site do DPF – Departamento da Polícia Federal e agende o dia para você ir até lá requerer seu documento. Clique no link para agendamento, preencha um formulário com seus dados pessoais e depois imprima a GRU (guia de recolhimento da União). Imprima o protocolo de agendamento e pagamento com a GRU, pague e vá no dia marcado até a PF. É preciso que você mesmo vá tirar seu passaporte, outra pessoa não pode tirar por você. A foto é feita na hora e já impressa no documento. Em alguns lugares o passaporte é entregue na hora, em outros há um prazo de 6 dias úteis para entrega. Caso haja alguma situação de força maior que a pessoa interessada não possa comparecer ao DPF (uma pessoa hospitalizada, por exemplo, que precise do passaporte para tratamento em outro país), entre em contato com a PF para saber os procedimentos. O valor do passaporte é R$ 257,25 e os passaportes requeridos e não retirados dentro de 90 dias são cancelados.

É importante ser dito que não existe renovação de passaporte. Quando o seu estiver perto de vencer (ou se já estiver vencido), você precisa agendar uma data no DPF novamente, levar de novo toda a documentação exigida e tirar um novo passaporte. O documento terá um número novo, comprovando que não há renovação.

Sobre isso, é importante que você saiba que não precisa esperar até o vencimento do seu atual passaporte para solicitar um novo (até porque não é renovação, lembra?). Em alguns países, principalmente da Europa, a imigração exige que o seu passaporte tenha pelo menos 06 meses de validade até o vencimento. Por exemplo, se seu passaporte vai vencer em dezembro e sua viagem é em outubro, tire outro passaporte e esqueça o velho, pois são apenas 2 meses antes de vencer. Por causa disso, sugerimos que quando faltar uns 7 meses pro seu passaporte vencer, tire um novo documento para evitar dor de cabeça na imigração do país de destino.

ATENÇÃO! Apesar de esta informação estar no site da Polícia Federal, muitas pessoas questionam o embasamento legal disto. Então vamos lá: em primeiro lugar cada país tem soberania para dispor de sua legislação local, lembre que quando você entra em outro país são as leis dele que valem. Em segundo lugar e a explicação mais segura para isto é baseada em um cálculo simples. Vamos simular a seguinte situação: você entra em Lisboa, o carimbo no seu passaporte na imigração portuguesa significa que você pode permanecer 90 dias no país, então isso já justifica a exigência de 3 meses de validade. Aí você se pergunta: e por que preciso de 6 meses de validade? Por que (quase todos) os países europeus ainda exigem mais 3 meses de validade do passaporte após sua data de retorno? Porque podem acontecer situações de catástrofe ambiental, ou um acidente, ou seja lá o que for que te obrigue a permanecer naquele país, então eles preferem assegurar que você estará com um documento válido.
Você vai encontrar depoimentos de pessoas ou vai ter um amigo que entrou na Europa com o passaporte faltando 1 mês pra vencer? Vai sim, pode acontecer, mas quem quer arriscar? Melhor evitar dor de cabeça, prejuízo e deportação. Imprevistos acontecem com todo mundo.

Visto
Decidiu o país para onde você vai? Pesquise no site da embaixada dele a obrigatoriedade sobre vistos. (Aproveite e pesquise se é obrigado tomar alguma vacina, como para entrar na Índia, por exemplo).
Quando se fala que o país não exige visto, a verdade é que ele não exige visto prévio. O famoso carimbo no passaporte  que você recebe quando entra nos países da Europa, por exemplo, é o controle de imigração e seu visto de permanência no país. É por isso que quando vamos para o velho continente, onde não há exigência de visto prévio para o turista, a imigração pode negar o visto, ou seja, pode não ir com sua cara e não carimbar seu passaporte, alegando qualquer motivo, fazendo com que você volte pro Brasil. Por isso também é tão importante você sempre, eu digo sempre, andar com o passaporte fora do país, é ele que vai comprovar que você foi autorizado pelo Governo local a estar lá como turista, com toda a legalidade possível, e será, claro, seu documento oficial internacional.

Já o visto prévio é exigido com antecedência e é bom você providenciá-lo meses antes da viagem para evitar que contratempos atrasem suas férias. Geralmente para tirar este visto você precisa ir pessoalmente ou enviar pelos correios, para uma embaixada, os documentos necessários informando quando vai viajar, para que vai, onde vai se hospedar e comprovar sua renda. O visto prévio mais conhecido é o dos Estados Unidos, um dos destinos mais procurados pelos brasileiros. Lembre sempre, porém, que para estudo ou trabalho o visto deve ser prévio em quase todos os países do mundo, inclusive na Europa, nos que dispensam o de turista.

Passagens
A compra das passagens também precisa ser bem pensada antes de escolher qualquer voo ou sair comprando no impulso. Vamos considerar um exemplo fácil e útil para muitas pessoas: viagem de São Paulo para Paris.

As opções que vejo de compra de passagens são as seguintes:
1) Voo direto ida e volta de Guarulhos para Paris – é o mais comum.
2) Voo de ida para Paris, e de volta por Berlim (poderia ser de qualquer outra cidade, isso é um exemplo). Ou seja, a ida saindo de Guarulhos e indo a Paris, e a volta saindo de Berlim para Guarulhos. No meio-tempo você viaja pela Europa tendo Paris como ponto de partida e Berlim como última cidade visitada.
3) Passagens com conexões múltiplas. Essa é uma opção excelente que nem todas as companhias aéreas oferecem, mas é possível você voar de São Paulo para Paris e no meio do caminho fazer conexões longas em cada cidade. Exemplo: Sai dia 01/10 de São Paulo, chega 02/10 em Lisboa para conexão prolongada de 3 dias. Dia 05/10 voa de Lisboa para Madri para a segunda conexão. Chega no mesmo dia 05/10 em Madri e fica até 08/10, quando finalmente voa para Paris e chega ao destino final. Isso é fantástico! Certamente a passagem vai ficar mais cara, mas pode compensar o valor dos trechos internos da Europa comprados separadamente.

Bom mesmo é você comprar as passagens apenas internacionais Brasil – França e depois decidir as passagens entre os países que você quer visitar na Europa. Você pode se valer dos trens, dos voos low cost e dos ônibus para se movimentar entre os países europeus, uma vez que são bem pequenos e muito perto uns dos outros.

Existem muitos sites de busca de passagens que facilitam na hora da pesquisa. As passagens podem ser compradas também nas agências de turismo e nas empresas que fazem intercâmbio, pois estas não vendem apenas para estudantes. Uma vantagem de comprar nestes lugares é que pode existir desconto. Às vezes uma companhia aérea faz uma promoção e as agências compram muito dessas passagens, então depois que a promoção acaba, as agências vendem essas passagens um pouco mais caras que na promoção da companhia, mas mesmo assim ainda são mais baratas que o preço em vigor naquele dia no site da empresa aérea.

Preste atenção caso queira usar trens. Dependendo do trecho que você queira fazer, do tempo que você tem e da sua disposição financeira, às vezes compensa mesmo ir de avião. Se quiser experimentar ir de trem, e principalmente se quiser ir à noite, opte por uma cabine que te permita uma boa noite de sono. Passagens de trem, avião ou ônibus compradas com antecedência geralmente oferecem descontos. Em alguns países, também é oferecido desconto em passagens para jovens até 30 anos, ou universitários etc. Leia as letrinhas pequenas dos sites, pois podem te ajudar a ter um descontinho.

Voos de baixo custo (low cost), compensam para quem viaja com uma mochila de 40 litros (uns 6 quilos) e leva dentro do avião, pois apesar de existirem sim passagens com preço bem abaixo dos praticados por empresas maiores (já vi voo de Porto para Paris por 4 euros), você não tem direito a nada a não ser que pague, e aí as taxas (de despachar mala, por exemplo) são tão caras que nem sempre o low cost vale a pena, a passagem termina saindo pelo preço de um voo normal (e que não te cobra até para respirar dentro do avião). [Trecho copiado do nosso post 7 dicas imperdíveis para você planejar sua viagem]

Quanto mais cedo as passagens forem compradas, mais baratas são, inclusive as de trem e de ônibus, por isso é muito importante planejar bem a viagem e saber com antecedência quando e para onde você vai. As duas desvantagens que vejo em comprar com muita antecedência é que de um dia pro outro a companhia aérea pode fazer uma super promoção e você ter ódio mortal de si mesmo porque foi “precipitado” (= planejado) e aí está sem jeito. Ah, e nem pense em remarcar a passagem, isso custa praticamente o preço de outra passagem.

Um exemplo de promoção de passagem foi o que a TAP fez no Natal de 2014. Durante uns 3 dias ela vendeu passagens saindo de todas as cidades onde opera no Brasil para mais de 10 destinos na Europa, por R$1.800 (com taxas inclusas) ida e volta para voar de março a maio de 2015. Foi uma excelente promoção! Considere que o euro estava custando quase 4 reais e veja que realmente valia a pena comprar.

Sobre as companhias aéreas de baixo custo, é preciso ficar bem atento a cada item presente na compra, pois as companhias vendem até bilhete de loteria dentro do avião (juro!). As passagens são realmente bem baratas, mas não inclui despachar sua mala, ou seja, ou você compra uma malinha de boneca (as próprias companhias aéreas vendem malas que cabem exatamente no bagageiro dos seus aviões), leva apenas uma mochila, ou paga também para despachar a mala, como falei anteriormente. Esses voos são ideais para quem tem um ponto de apoio no país, deixa a mala grande na casa de alguém e viaja por perto apenas com uma mochila, ou as pessoas desprendidas que conseguem viajar por dias sem levar a casa toda dentro da mala. Aí sim compensa, e muito.

Agora mesmo, enquanto escrevo este post, fiz uma simulação na companhia low cost Easy Jet voando de Lisboa para Londres com estadia de 5 dias. A ida está 36 euros e a volta 70 euros, em voos diretos. Isso não é promoção, é o valor normal, mas essas companhias sempre oferecem descontos. Se você já sabe quando vai viajar e qual o seu destino, fique de olho e confira todos os dias (sim, todos os dias!) os valores das passagens, é por isso que não há uma regra de quando comprar as passagens, o ideal é ficar de olho nos sites das empresas aéreas esperando uma promoção.

[Sobre com que antecedência você deve comprar suas passagens, eu sugiro pelo menos 3 meses, mas cada caso é um caso, cada destino tem suas peculiaridades e cada momento tem uma promoção diferente. Como disse, pode acontecer de você comprar com antecedência, e 1 mês depois ter uma super promoção.]

 

Hospedagem
Sempre que alguém me pede opinião sobre viagens a primeira coisa que eu pergunto é: qual o seu estilo de viagem? Quer fazer esportes radicais, fazer compras, visitar museus ou apenas ficar de pernas pro ar relaxando? Existem alguns fatores que mudam completamente o estilo de uma viagem e estes são alguns, é por isso que viagens com turmas grandes geralmente dão problema, pois cada um tem um interesse diferente e acaba provocando um stress no grupo.

Estou falando sobre estilos de viagens neste tópico de hospedagem porque as passagens são as mesmas para quem viaja, mas os hotéis não. Para mim, por exemplo, que viajo e passo o dia inteiro batendo perna, não é necessário hotel com academia, sauna, piscina aquecida e todas as outras coisas que encarecem o valor da diária. Porém uma localização boa, perto dos meus pontos de interesse, é essencial. Para quem vai a Cancún, por exemplo, e realmente usufrui do resort, é interessante os pacotes com pensão completa, que incluem todas as refeições e bebidas. Por isso que a hospedagem depende do tipo de viagem.

Outra coisa que faço questão de frisar sobre hospedagem é: albergue não é cortiço. Tire isso da sua cabeça! Já fiquei em albergues excelentes, com serviço muito melhor que muitos hotéis. Quer privacidade? Ok, os albergues já oferecem quartos duplos ou até individuais, com banheiros privativos que servem tranquilamente para um casal que não faça questão de comodidades de um hotel luxuoso. Quando fui a Londres vi uma coisa bem interessante no albergue onde me hospedei, existia um quarto com 6 camas que estava reservado para um casal e seus 4 filhos. Ou seja, abra sua cabeça sobre os simpáticos albergues, e aproveite as possibilidade que eles oferecem de não apenas baratear sua viagem, mas de te apresentar pessoas do mundo todo, a experiência é excelente. E sobre histórias de albergues desorganizados, claro que tem, assim como tem hotéis péssimos, então supere este preconceito.

Para você que já cansou de ficar em albergue, acha que é coisa para solteiro ou não quer mais saber das farras nos bares com os jovens do mundo todo, existem redes de hotéis mais em conta, como a Ibis, que mantém o padrão em todo o mundo e que tem o preço bem competitivo, mas geralmente não inclui café da manhã nem tem nenhum tipo de serviço extra (academia, piscina, sauna).

Outra excelente opção para hospedagem são os apartamentos mobiliados. Fiz isso em Santiago, no Chile, e foi uma ótima escolha. Existem dois tipos de apartamento para este fim: os apartamentos que são exclusivamente para pessoas que alugam por temporada (não importa a quantidade de dias) ou os apartamentos de pessoas que moram nas suas casas e que decidiram por compartilhar seu apartamento com estranhos e alugam os quartos, podendo ser compartilhados ou não.

Há hospedagem para todo tipo de gosto e de bolso. Mas lembre-se de uma coisa, é sempre vantagem se hospedar perto dos seus lugares de interesse, mesmo que seja um pouco mais caro. Não só economiza em transporte, como em caso de precisar dar um pulinho no hotel porque esqueceu algo, é mais viável.

Acordo de Schengen, sua viagem a Europa e seu seguro viagem
Pouca gente sabe que este acordo existe e qual a importância dele numa viagem a Europa. Pois bem, é uma convenção entre países europeus sobre uma política de livre circulação de pessoas entre os países participantes. Mas não confunda o Acordo de Schengen com a União Europeia. São coisas diferentes apesar de terem como principal ponto a abertura das fronteiras. O que acontece é que nem todos os países participantes do Acordo de Schengen estão na UE, mas atualmente é condição obrigatória para qualquer país que entrar na UE fazer parte do Acordo de Schengen. Atualmente em torno de 30 países participam deste acordo.

Mas então você me pergunta: e por que você está falando sobre isso? Eu respondo: porque o Acordo de Schengen obriga qualquer turista que vá a um dos países integrantes a ter um seguro de viagem de pelo menos 30 mil euros. Isso mesmo! É obrigatório, então nem discuta. É possível que na hora que você chegar lá na imigração o funcionário peça toda sua papelada, incluindo a fatura do cartão de crédito para confirmar sua renda, o comprovante de hospedagem e seu seguro-viagem, dentre outras coisas.

E independente de Europa, nem cogite a possibilidade de viajar para qualquer lugar do mundo sem seguro-viagem. É relativamente barato e pode te ajudar nas situações de emergência, sem falar que em caso de acidentes, eles dão suporte para mais dias de hospedagem, para táxis, e até para extravio de bagagem. Vá a alguma agência de turismo, de intercâmbio ou faça por algum site mesmo. Você vai ver que nas opções de preços já existe, em todos os seguros que você pesquisar, a opção do seguro de 30 mil euros, pensando nos turistas que vão para a Europa.

Espero ter ajudado você a se organizar para uma viagem internacional maravilhosa! 😉

Tem mais dicas sobre viagens ou quer contar como foi sua primeira viagem internacional? Deixe um comentário! Vamos adorar compartilhar experiências!

Sobre Priscila Lima

Administradora apaixonada por viagens e que aproveita cada dia de folga para descobrir uma coisa nova pelo mundo. Compartilhar informações sobre qualquer coisa e cuidar deste site são seus passatempos favoritos.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicadoOs campos marcados são obrigatórios *

*

Subir
%d blogueiros gostam disto: